Existem Limites para o Amor?


Para quem não se lembra, a Off Area está relacionada a artigos variados que fogem dos temas usuais, onde procuro compartilhar pensamentos pessoais sobre problemas em geral, acontecimentos ou polêmicas. Desta vez não será diferente, acabei pegando inspiração do assunto tão falado de sexta feira (31/01), o aclamado "Beijo Gay" da novela Amor à Vida. Você, mesmo que não tenha assistido, acredito que tenha ouvido falar, e é mais ou menos enganchando nisso que estarei fazendo uma pergunta que intitula nosso artigo.



Não acompanhei a novela, sinceramente, apenas em algumas poucas cenas quando desviava o olho da tela do computador para a tevê onde meus pais assistiam (meu computador fica na sala), mas resumidamente sempre que eu olhava consistia no Caio Castro na cama com uma menina (desculpem os termos), o "Félix Bicha Má" (viral do Facebook, aliás) e outros casos de intrigas que toda novela da Globo teria. Porém as coisas caminharam a tal ponto da união de personagens homossexuais da novela, que culminaria em um beijo no último capítulo, o primeiro beijo homossexual em rede aberta no horário nobre. Entre fofocas por aí, ninguém tinha certeza se, de fato, aconteceria. Mas sim, aconteceu, o que foi um verdadeiro divisor de águas para o público brasileiro.

Há um grande número de pessoas que utilizou-se das redes sociais para apedrejar a Globo (já deixo claro que também não morro de amores pela emissora) por exibir uma cena tão "repugnante" em um horário em que famílias estariam acompanhando a novela, inclusive crianças. Por outro, estavam aqueles que defendiam que a cena foi romântica e verdadeira o suficiente para que não fosse nada forçado ou ofensivo. E claro, tem aqueles que não morreram de amores, mas tinham que convir que com tanta (com o perdão novamente da palavra) merda que é transmitida em rede nacional, foi leve e portanto foi desnecessária toda a revolta. Afinal, repetindo posts que já vi por aí: "Esfaqueamento, adultério, abuso, etc. pode, mas demonstração homoafetiva não pode."

Mas chega de falar de novela, porque o buraco é mais embaixo, e eu sequer tenho competência pra falar disso por mal ter acompanhado. 

Começando de verdade nosso post, você sabia que:
  • Segundo os cientistas, a probabilidade de um irmão gêmeo possuir a mesma orientação sexual do irmão é de 50 %?
  • No mundo, aproximadamente 10% da população é homossexual assumida?
  • A homossexualidade muito possivelmente está ligada a genética, principalmente porque independe de escolhas?
  • Segundo uma pesquisa feita na Universidade da California dos EUA, grande parte dos homens que apresentavam homofobia demonstraram certa excitação através de equipamentos ao ver cenas pornográficas entre homens?
  • Vários animais praticam a atos homossexuais, além do homem? A lista inclui golfinhos, leões africanos, pinguins, girafas e até libélulas!
Onde quero chegar? Ninguém é obrigado a gostar de nada, isso é fato. Mas respeito é o mínimo que todos devem ter, e é o que mais falta. Há grande hipocrisia que vejo por aí, porque ouço direto pessoas falando sobre respeitar a todos, e são as primeiras a usar termos pejorativos ou ridicularizar o homossexualismo, quando não existe mais espaço para preconceito.

Honestamente, em pleno século vinte e um, não existe mesmo lugar para preconceito. No fundo sei que todos tem suas preferências, porém estamos na geração da liberdade (liberdade excessiva, diga-se de passagem) para haver tantos bloqueios não apenas homofóbicos, mas raciais, religiosos, sociais, etc. 


I Kissed a Girl, and I Liked
Hoje em dia, é claro, como vimos na novela, está tudo mais liberal. Não é incomum você encontrar homossexuais/bissexuais ou temáticas homossexuais, nas músicas, etc. O que serve como certo apelo (grande parte dos rapazes curte ver cenas relacionadas a Yuri, por exemplo) e acaba criando uma imagem negativa, de que tais relacionamentos seriam somente pervertidos, quando sabemos que vai muito além disso. Afinal, acho que já passamos da época de acharmos que "opção sexual" é, de fato, uma opção, e que psicologia ou orações podem reverter isso, não é mesmo?

Todavia, voltando para nossa linha de raciocínio, qual o motivo para tanta aversão, a ponto de resultar em bullying (no caso das escolas), agressão, e em muitos casos até homicídio? (Eu tenho uma grande aversão a imbecis, mas não é por isso que saio batendo em todos a cada idiotice que vejo ~rs). Ontem, especificamente, ouvi algo tão ridículo que não posso evitar não compartilhar. Segue o diálogo, deem destaque para as falas em azuis, do suposto "respeitador".

"Eu acho que cada um tem que gostar do que quiser, eu respeito, mas não pode demonstrar em público. Imagina, você está com sua família, amigos, irmãos mais novos e vê dois caras se beijando? Isso é muito nojento. E se vier pra mim, eu já bato e não quero nem saber".
"Mas e um cara e uma mulher fazendo a mesma coisa em público?
"Ué, é bom. Eu fico olhando numa boa."

Isso se chama voyeurismo, meu caro.
Antes de qualquer coisa, eu não sou a favor de ninguém ficar se beijando/outras coisas piores em público, primeiro porque as crianças de hoje em dia já tem TV internet pra ver isso, não precisam agora ver e achar que é super normal. E em segundo porque ninguém merece testemunhar o que acontece entre a língua de duas pessoas enquanto se está comendo no Shopping ou em outro lugar qualquer ~rs. Mas deixemos esse detalhe de lado.

Contudo, nem tudo são rosas. Também tenho meus contras, que são a partir do momento que os defensores da cultura GLBT (Gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros/transsexuais) acabam por infringir certas leis/regras/costumes de bom senso que são impostos para todos, num geral. Lutar por direitos iguais é uma coisa, lutar por prioridades é outra, e tão errado quanto não ter direitos. Se não se pode beijar ou fazer carícias em determinada área pública, ninguém pode. 

Haos, qual é sua opinião?

Honestamente, sou a última pessoa que você encontrará neste caótico planeta que poderá ser convencida de que o amor entre duas pessoas do mesmo sexo é motivo digno de uma viagem só de ida para o Inferno. A última. Com todo o respeito, porém a mim não é concebível que uma pessoa boa e honesta, com apenas algo que o diferencie, possa ter um destino tão horrendo, diferente de alguém que passou seus dias praticando atos ruins com os outros, que possa ter perdão. Essa é a minha opinião. Antes de escrever o post li por aí que uma pastora afirma ter ido 15 vezes ao inferno e tem informações suficientes para me contrariar, mas repetindo algo que já disse uma vez, segundo meu livro ao lado, milhões de pessoas também afirmam terem sido abduzidas por extraterrestres. Para os dois eu dou a mesma opinião: Não contradigo, só deixo de acreditar. Desculpem-me.

Conclusão

Eu não sei o que vai acontecer quando eu morrer. Não sei se vou pro céu, pro inferno, pro purgatório, se vou virar um espírito e vagar pela terra ou assombrar casas e puxar o pé de crianças, se vou reencarnar no corpo de um tamanduá, ou se meus restos vão apodrecer e serem comidos por bactérias. Não sei o que vem depois. A única coisa que sei é que temos o agora, essa vida, e nela todos tem direito de serem felizes de forma saudável. A minha escolha é ser feliz aqui e agora, mas fica a critério de cada um escolher que onde apostará suas fichas. Repito, todos temos o direito de sermos felizes. E não é o amor entre duas pessoas de mesmo sexo que, pela minha concepção, contradirá a felicidade. Os limites foram todos inventados, eles não existem de verdade. E você, o que acha?





Essa é a área Off, e sempre peço opinião de vocês porém ainda não dei oportunidade de vocês falarem para valer. A partir de agora, quero ouvir a todos, quem quiser opinar sobre o assunto, deixarei a parte do fim do post reservado para opiniões dos leitores, onde basta enviar sua opinião por comentário ou e-mail, que ela será inclusa ao post. Você não precisa se identificar,  e estamos abertos a tudo, quer você concorde com a ideia do post ou refute, desde que não use termos ofensivos ou fuja demais do bom senso. 

Vale lembrar que as opiniões não refletem a opinião do autor, e sim daqueles que escreveram as mensagens.


Opiniões dos Leitores


Por: Anne Lieurence


Concordo em gênero e grau. Eu também não assisti a novela, mas aqui em casa há a mania de ver a última semana das novelas mesmo que não acompanhemos, sem falar de algumas pessoas que sigo no Twitter e acompanhavam. No momento em que o último capítulo passou no ar, eu estava vendo e com o celular na mão, então pude ver todas as reações. Vi os shippers enlouquecendo (até me incluo nisso, riam se quiserem de eu ser shipper em novela -q), vi o pessoal que se limitava a comentar sobre o que isso representaria para a tv brasileira.... E vi gente postando sobre como isso era abominável e contra as leis de Deus e blábláblá. Olha, se a "política de boa vizinhança" não fosse tão forte em mim, eu realmente comentaria "Cara, faz o favor de calar a boca" Primeiramente, como uma amiga minha disse "Não coloca o nome de Deus no meio quando falar mal de algo. Quem desaprova é você" E, em segundo lugar, "o que as crianças vão pensar?" é um argumento RIDÍCULO. Pra início de conversa, novela das nove não é pra crianças (nenhuma é, se duvidar -q). E, sinceramente, considerando tudo o que passa nelas, e tudo o que passa momentos antes nos jornais, sério que um beijo é a pior coisa?

Confesso que, se tivesse ouvido esse diálogo que você postou, eu quebrava alguma coisa na cabeça do cara. Respeito demais o que ele tem, ein? ¬¬'' (e, sendo sincera, acho nojento ver casal se pegando, seja hetero ou homo -qq) Pior, só o pessoal que diz que gays vão pro inferno por isso. Gente, como eu ODEIO que falem esses absurdos de "vai pro inferno por isso", "vai pro inferno por aquilo", seja qual for a temática. Até porque, convenhamos que não é lá muito lógico, né? Afinal, mandar uma pessoa boa pro sofrimento eterno só porque é gay, ou porque acredita nisso, ou fala isso, ou ouve aquilo não é algo que um Deus misericordioso e bondoso faria, é? Até desviando um pouco do assunto (e entrando num buraco absurdamente mais fundo), acho que isso é um grande erro de algumas religiões. Entendam, não tenho nada contra nenhuma religião, conheço gente de todas (inclusive colegas sem religião, pagãos e ateus), respeito todas as crenças, mas acho ridículo esses "destinos certos". Seria tão errado cada um ter sua opinião, seu gosto, sua preferência?


Enfim, em resumo: Há pessoas boas, legais, chatas, más, alegres, tristes, amigas, inimigas, de todos os humores e caráteres(?), e isso independe por completo de sua opção sexual.




Por: Gus Sycamore

Primeiramente, comentando o que viralizou - o beijo da novela. Eu vi o final da novela, obrigado, até. Não queria que tivesse viralizado. Isso dá crédito à Rede Governo. E eu não quero isso. Não mesmo. 

Mas eu não sou nem um pouco contra isso. Na verdade, diria que tem coisa pior por aí (funkeiro, belibiebers, twihards, etc...) mas a hipocrisia insiste em mexer no que está quieto. Mas também não concordo com esses que se dizem homossexuais e seguem apenas a moda que é ser gay e agem como, isso vai ser censurado, vamos mudar então, biscates. É como dizia o Felipe Neto (que você deve conhecer, eu acho) "existem os homossexuais, que tem uma orientação diferente e que respeito. Mas também existem os (viadinhos) que viram gays por moda e agem como prostitutas." 

Minha mãe diz que religião não se discute. Mas tem umas que não é possível suportar. Diga aí, pastor Feliciano, que era detentor dos Direitos Humanos Brasileiros, porém homofóbico e racista... Mas, nada contra ninguém. Eu sou cristão, não religioso, mas sigo esta religião. E meu caro, mesmo que não seja um e tal, respeito geral os gays. Esse negócio de inferno, céu, purgatório, bem, cada um segue o caminho que quer seguir e isso gera suas consequências, acredito que mesmo sendo de outra religião, se é justo e altruísta, irá conseguir uma boa vida eterna. A orientação sexual é a mesma coisa. Acho que algum dia, todos os alunos da sala irão abrir as bocas quando souberem como os milênios passados foram, assim como fazemos. Mas a sociedade que construímos hoje tem tudo para virar uma Panem estupefato. Isso me deixa triste - Viver em um país em que o dinheiro bate a justiça assim como a arma bate a rosa. Já passou da hora da Revolução.

Respondendo a pergunta, só neste fator, tenho sim que discordar de você. Existem sim alguns limites para o amor. Como por exemplo se ele se torna obscuro e faz jus à doença. Ou se ele não tem propósito algum a não ser a desgraça. Se pode machucar as próprias pessoas que o guardam e as outras ao redor. Mas, enfim, é minha opinião. 


Este Assunto veio mesmo na hora certa, pois à alguns dias atrás veio uma Lésbica que pertencia a uma coisa qualquer sobre direitos de GLBT aqui no meu pais à minha escola.

Não tenho nada contra as pessoas gostarem de alguém do mesmo sexo, pelo contrario, até defendo os direitos dessas pessoas, e acho algo muito idiota falarem que elas vão para o inferno ou algo parecido,(Alem disso ninguém sabe o que acontece depois de morrer, o que me faz pensar, por um lado, que o Paraíso e o Inferno não existem, mesmo assim, respeito todas as religiões), sinceramente eu prefiro ver dois Gays a se beijarem do que ver pessoas metidas na Droga....



Por: Shiny Reshiram

"O que as crianças vão pensar?" Isso é algo ridículo, elas vão pensar o mesmo que pensam ao ver pessoas de Sexos opostos a se beijarem, e se ainda pensarem em algo do tipo... (Porquê?)

Porque eu vejo por ai crianças (Pessoas que tem menos ou por volta de 13 anos ainda são consideradas crianças certo?) que já andam metidas na ''porcaria'' e são muito ''malcriadas'' (Na Droga, a fumar, na bebida, usam vocabulário inapropriado, algo desse género) principalmente nas festas de Verão aqui.

Como minha mãe diz, as crianças hoje em dia crescem e já sabem tudo e mais alguma coisa, coisas pelas quais eu só aprendi à bem poucos anos (Não sabia o que era Sexo quando eu tinha 10 anos e pessoas mais novas do que isso já sabem nos dias de hoje), não sei se no Brasil acontece a mesma coisa, aqui já é assim (pelo menos no lugar onde eu vivo).

Então afinal o que tem de mal ver Gays a se beijarem na Tv em Horário nobre para as crianças, se tem delas que já andam fazendo coisas inapropriadas? É mais ridículo do que alguns pais criticarem um Canal de Tv porque dizem que seus filhos tem pesadelos ao assistir desenhos animados antigos tais como Sailor Moon.... (Pior que aconteceu isso mesmo aqui à alguns anos)

Sinceramente não vi essa novela, mas ouvi falar, (Posso não ser do Brasil mas minha Tv tem a Globo e uns outros canais do Brasil..).




Por: Lotus (Hideki Hirano)

Sabemos que na Grécia antiga a homossexualidade era vista como algo natural, por deveras até incentivada em algumas ocasiões. Cria-se que a inteligência poderia ser transmitida através do esperma ou a habilidade na guerra por beijos. Jovens serviam a mestres mais antigos em tudo (inclusive sexualmente) para que eles pudessem aprender a arte da oratória e da política. Enquanto isso, nos campos de batalha, era comum que o alto escalão do exército incentivasse os soldados a se amarem e relacionarem-se, para que assim se empenhassem mais em proteger-se mutuamente. O sexo com as mulheres era tido apenas como algo necessário para a concepção, já que elas eram seres inferiores e indignas de receberem a devida atenção e o amor dos homens (isso na concepção Grega). Inclusive, as damas gregas raspavam o cabelo dependendo do local onde morassem, para que se aproximassem mais de serem semelhante aos homens. Isso acabaria colidindo com a igreja católica séculos depois, mas explanarei alguns fatores antes:

Sabe-se que o judaísmo era avesso às práticas homo-afetivas, chegando a chamá-las de abomináveis no antigo testamento. Igualmente temos nele relatado o caso de Sodoma e Gomorra, que foram dizimadas pela prática homossexual, recebendo grande castigo divino. Claro, a visão anti-homossexualismo era a mais aceitável, principalmente para o povo da época. Uma civilização exilada e com a necessidade de ampliar seu número não poderia admitir a possibilidade - mesmo que remota - de acabar extinguida. Além desse fator, temos a sacralização do sexo. Ele era (e continua, nas religiões messiânicas) visto como algo divino, que deveria ser praticado única e exclusivamente com a função de procriar-se e cumprir os planos de Deus. Isso porque a raça humana estaria em exílio nesta terra devido ao pecado primeiro, induzido por Lúcifer, e por esta razão deveria buscar a redenção. Essa graça de alcançar o céu só era alcançada com o desapego às coisas materiais e mundanas, como o sexo por prazer (isso justifica o celibato adotado por sacerdotes da igreja Ortodoxa e da Apostólica Romana).Nessa perspectiva de salvação o povo judeu adotava o costume se sacrificar um cordeiro e imolá-lo em oferenda ao Altíssimo, mas este era tido como incompleto e inviável para a completa remissão dos pecados. Surge então, segundo a crença cristã, Jesus Cristo, cuja doação na cruz seria completa e daria início ao que chamamos de Nova Aliança.

Com o advento do cristianismo sobre o império Romano, às críticas ao homossexualismo se mantiveram. Isso é manifestado através da carta de Paulo, o apóstolo (São Paulo para todos os católicos), onde ele expressa os que não herdarão o reino dos céus, mas perecerão no inferno, e usa dois adjetivos para definir os "gays", por assim dizer (gay foi o termo adotado por aqueles que são engajados socialmente por esta causa): Afeminados e sodomitas. Esta última palavra remete exatamente àquela cidade supracitada. 


Outra causa para perseguirem o homossexualismo foi justamente a relação dele, muitas vezes, com o menosprezo da mulher grega. Sabe-se que ao contrário do que alguns afirmam, o catolicismo exalta a mulher em razão de Nossa Senhora, colocando ela num estado superior ao dos apóstolos. Por essa razão seria conveniente que as mulheres imitassem Maria numa vida de dedicação total ao Senhor, não perdendo tempo em serem meros "padres", servidores que na época teriam que se arriscar e passar por coisas difíceis. E por essa mesma crença eles não poderiam crer que o único objetivo delas seria o de gerar filhos, já que por intermédio de uma mulher nasceu o rei dos reis. Esse conflito manteve-se por toda a história da cristandade, com perseguições e a banalização total do indivíduo que praticasse "amor" com alguém de mesmo sexo. 

São incontáveis a descrição da sodomia como o pior dos pecados, o maior atentado de apego à carne. Todavia, se por um lado víamos essa situação no ocidente, afloravam no lado de lá religiões que não enxergavam nada de mal nisso tudo, embora muitas vezes precavessem contra o excessivo apego ao mundano.

Recentemente vem surgindo um movimento que visa descriminalizar isso em função do progresso e de mudanças para melhor nessa sociedade dita como hierárquica e ultrapassada. Mas, nesse ponto eu alerto que devemos tomar cuidado para também não desmerecer as conquistas do cristianismo em função de nossas ideias. Essa mesma sociedade tida como vil incentivou o estudo, fundando na idade média inúmeras universidades, criando o método científico, compilando livros de grande importância e lutando contra as invasões islâmicas através das cruzadas. Ah, graças a Deus pelas cruzadas! Se não fossem por elas hoje as nossas amigas andariam apenas com os olhos descobertos, porque o restante seria escondido por panos e mais panos de cor escura. 

Sou contra todo e qualquer preconceito contra duas pessoas homossexuais (ao contrário, dou meu total apoio para o amor entre indivíduos do mesmo sexo), até porque o amor é algo sublime e incompreensível. Mas creio, como muitos aqui, que devemos conciliar esse progresso com o que existe de bom em nossa sociedade. O antigo será mudado, com certeza, mas daremos o devido tempo a isso. Se serviremos de mártires contemporâneos para a indução da verdade, não sei, mas que devemos lutar pelas justas causa, disto tenho certeza. A nós, criadores da história, cabe olhar ao passado para entender o presente e mudar o futuro, a fim de não repetir o mesmo erro contra pessoas inocentes e desprovidas da necessidade de arderem eternamente. Por fim, o amor prevalecerá! 

Entradas similares

0 Comentarios